Logo Portal Ternura
09/07 - IBITINGA-SP
° °
Arthur Rollo

Arthur Rollo


Mudanças na Legislação Eleitoral exigem atenção redobrada de pré-candidatos em 2020

Segundo o advogado Arthur Rollo, proibições quanto a coligações proporcionais e autofinanciamento das campanhas, além de novos prazos e regras devem ser levados


A regra para se eleger vereador em 2020 mudou em comparação com o que era praticado em anos anteriores. Diferentemente do que aconteceu até 2016, será proibida coligação proporcional, ou seja, cada partido vai concorrer isoladamente para o Legislativo, o que modifica, assim, as chances de vitória. O detalhe é que poucos sabem sobre essa nova norma, entre tantas outras que já estão em vigor para a corrida eleitoral de outubro deste ano, e que podem, em caso de desobediência, impugnar candidatura ou fazer com que o postulante receba sanções graves e altas multas.
 

Quem faz o alerta é Arthur Rollo, doutor e mestre em Direito pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo e especialista em Direito Eleitoral. Segundo o advogado, a partir de 2020, só poderão existir alianças na chapa majoritária, ou seja, para prefeito. A mudança vai repercutir diretamente no número de candidatos à vereança, uma vez que, antes, em alguns casos, coligações poderiam lançar até 200% do número de cadeiras da cidade. Agora, cada agremiação poderá ter até 150% do número de parlamentares de um município.
 

Rollo, que também é professor titular da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo-SP e coordenador de pós-graduação da Damásio Educacional - Faculdade IBMEC, em São Paulo-SP, lança no próximo mês, na capital, um livro sobre as novas regras da legislação eleitoral para 2020. A previsão é que até a segunda quinzena de março o manual esteja disponível não apenas para pré-candidatos a prefeito e a vereador, mas, também, para quem atua em campanha, incluindo jornalistas, publicitários, marqueteiros, contadores, advogados, só para citar algumas áreas. A ideia é oferecer um guia completo e de fácil manuseio e leitura, divorciado do “juridiquês” e que sirva de referência, principalmente, para pré-candidatos, candidatos e suas equipes.
 

O advogado afirma que neste ano, por exemplo, também há proibição de autofinanciamento total. Há, ainda, limitação dos gastos da pré-campanha, a fim de se combater exageros e abuso de poder econômico por parte de alguns pré-candidatos:
 

“Ao cassar recentemente o mandato de uma senadora do Mato Grosso, em 2019, o TSE definiu que exageros na pré-campanha, com antecipação de gastos e publicidade da candidatura, configuram abuso do poder econômico. Esse precedente poderá alterar a interpretação dos juízes eleitorais nas pré-campanhas, com a tendência de haver mais cassações de registros”, considera o especialista.
 

Outra pergunta muito comum entre os pré-candidatos e veículos de Comunicação reside na permissão ou não da realização e da divulgação de enquetes até o início da campanha eleitoral. Rollo explica que, nas eleições municipais de 2020, enquetes estão proibidas a partir de 16 de agosto.
 

Principais mudanças e regras para as Eleições Municipais de 2020:
 

 - Proibição de coligações proporcionais;

 - Proibição de autofinanciamento total das campanhas;

 - Permissão de enquetes até o início da campanha eleitoral;

- Limitação dos gastos da pré-campanha;

- Pagamentos de honorários advocatícios e de serviços de Contabilidade;

- Doações para partidos políticos;

- Prazos de filiação partidária e domicílio eleitoral;

- Período de janela partidária para vereadores trocarem de legenda sem o risco de infidelidade partidária;

- Prazo de desincompatibilização de secretários municipais que querem concorrer a vereador;

- Prazo de desincompatibilização de secretários municipais que querem concorrer a prefeito ou a vice-prefeito;

- Regras para o vereador se candidatar a prefeito;

- Regras para o vice-prefeito se candidatar a prefeito;

- Regras para o vice-prefeito se candidatar a vereador;

- Regras para o presidente da Câmara que vai tentar a reeleição;

- Critérios para a montagem das chapas dos vereadores;

- Cuidados básicos quanto à exposição na mídia para a pré-campanha;

- Cuidados básicos com gastos excessivos na pré-campanha;

- Observâncias quanto ao limite total de gastos;  

- Cuidados com os bens de pessoas jurídicas;

- Programas sociais organizados pelas Prefeituras em anos eleitorais;

- Regras para candidatos apresentadores de programas de rádio e de TV;

- Regras para a propaganda institucional das Prefeituras;

- Regras quanto à presença em inaugurações públicas;

- Autofinanciamento de campanhas eleitorais.

 

ARTHUR ROLLO
 

Arthur Luis Mendonça Rollo é advogado especializado em Direito Público e em Direito Eleitoral; professor titular da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo-SP e coordenador de pós-graduação em Direito do Consumidor e professor de Direito do Consumidor, Direito Eleitoral e Gestão Educacional do Damásio Educacional - Faculdade IBMEC.
 

Rollo ainda é doutor e mestre em Direitos Difusos e Coletivos, pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo-SP. Foi secretário Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Segurança Pública; presidente do Conselho Federal Gestor do Fundo de Direitos Difusos e Coletivos; e membro do Conselho Federal de Combate à Pirataria.
 

Sócio da Alberto Rollo - Advogados Associados, sediada em São Paulo-SP, Rollo ainda é presidente do Instituto Nacional de Direito do Consumidor (INADEC), e vice-presidente da Comissão de Direito do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)-SP.

Câmara Municipal de Ibitinga

Últimas colunas

José de Paiva Netto

José de Paiva Netto

O Divino Referencial Jesus

O Divino Referencial Jesus
José de Paiva Netto

José de Paiva Netto

Luz no fim do túnel

Luz no fim do túnel
Leonardo Chucrute

Leonardo Chucrute

Os desafios do Enem 2020

Os desafios do Enem 2020