Logo Portal Ternura
29/09 - IBITINGA-SP
° °
Isabela Manchini

Isabela Manchini

Isabela Manchini tem 24 anos de idade, é graduada em Pedagogia pela Faibi e mestranda em Educação Sexual pela Unesp-Araraquara.

AFINAL, O QUE É EDUCAÇÃO SEXUAL?


Na última coluna, falamos sobre sexualidade e alguns conceitos importantes. Mas também há um grande tabu e preconceitos acerca da Educação Sexual, principalmente quando falamos de tratar desse tema dentro das escolas. Nos últimos anos, enfrentamos uma grande onda de falácias e mentiras acerca desses estudos, onde ideias deturpadas e fake news permeiam o tema. Então vamos falar um pouco sobre o que realmente é Educação Sexual e quais seus objetivos?

Acho importante começarmos pela diferenciação entre:

Educação Sexual Informal: É aquela que aprendemos durante a nossa vida em diversos momentos (em casa, com comportamentos verbais, posicionamentos e etc) dessa forma, pode vir dotada de dogmas, valores e preconceitos enraizados. Também é muito importante lembrar que educação sexual informal não é planejada, ela simplesmente acontece.

Educação Sexual Formal: Acontece dentro de instituições de forma intencional, com métodos, planejamento, didática e com profissionais capacitados assim se torna um objeto de estudo e ensino.

Portanto todos nós recebemos Educação Sexual desde crianças, até mesmo quando adultos resolvem se silenciar sobre assuntos (sejam responsáveis ou professores) também estão se posicionando sobre o tema, como algo proibido e que não pode ser falado.

Sendo assim, quando falo, defendo e pesquiso sobre a importância da Educação Sexual dentro das escolas com profissionais capacitados, é porque a sexualidade está presente na escola; os alunos possuem curiosidades, medos, sentem necessidade de informação, e a escola se faz um espaço privilegiado onde se pode trabalhar a Educação Sexual de forma emancipatória como um compromisso com a transformação social, assim conduzir o discurso para discussões e problematizações de questões que envolvem: relações de poder, aceitação das diferenças e respeito pelas minorias.

Pois infelizmente vivemos em uma sociedade com uma grande taxa de violências, sendo: violência contra mulheres e travestis, abusos sexuais, racismo, intolerâncias religiosas, entre outras. Crimes causados pois seres humanos não sabem respeitar e conviver com as diferenças. De uma forma muito simplificada, nós educadores sexuais levantamos unicamente a bandeira do RESPEITO e PREVENÇÃO!

Gosto muito dos dizeres da autora Caroline Arcari, nos quais ela transmite de forma simples, direta e com qualidade o que é Educação Sexual, e é claro que vou compartilhar aqui com vocês. Olhem só!


Arte: Divulgação/Editora Caqui
 

Acho de extrema importância desconstruirmos conceitos errôneos perante um debate tão importante e necessário para crianças, jovens e também adultos, até mesmo porque o direito à informação e à Educação Sexual faz parte dos direitos sexuais que constam nos Direitos Humanos. E quando falamos em Direitos Humanos, falamos em direitos básicos assegurados a qualquer ser humano não importando a classe social, raça, nacionalidade, religião, cultura, profissão, gênero, orientação sexual ou qualquer outra variante.

Então, proponha a todos vocês que estão aqui tendo um tempo para essa leitura, que tal lutarmos por uma sociedade melhor com menos intolerância, violências e desrespeito? E assim, construirmos uma sociedade pautada no respeito à diversidade!

Para sugestões: [email protected]

Instagram: @isabelamanchini

Câmara Municipal de Ibitinga

Últimas colunas

Maria Eugênia Pinheiro Sena da Silva

Maria Eugênia Pinheiro Sena da Silva

Eleições, voto e título de eleitor: questionamentos frequentes

Eleições, voto e título de eleitor: questionamentos frequentes
Isabela Manchini

Isabela Manchini

Abuso sexual de crianças e adolescentes: Algumas observações

Abuso sexual de crianças e adolescentes: Algumas observações
Isabela Manchini

Isabela Manchini

BRINQUEDOS/BRINCADEIRAS E A REPRODUÇÃO DO MACHISMO: COMO ISSO ACONTECE?

BRINQUEDOS/BRINCADEIRAS E A REPRODUÇÃO DO MACHISMO: COMO ISSO ACONTECE?