SAÚDE SEXUAL E PANDEMIA.

Compartilhe:

Todos nós já estamos saturados dos impactos que a Covid-19 tem causado em todos os aspectos por todo o mundo: mortes, prejuízos, nova adaptação de rotina e hábitos, excesso de tarefas para algumas pessoas e etc.

Sendo assim, esse novo modo de viver em decorrência do coranavírus também afetara as relações sexuais. E pouco tem se discutindo sobre o impacto causado nessa dimensão também tida como fundamental da vida: o sexo, mesmo existindo estudos que comprovam a relação entre estresse, depressão e desejo sexual.

Além disso, desde o início da pandemia vários estudos veêm sendo realizados em vários aspectos da sexualidade e seus resultados não devem passar despercebidos. Há um estudo feito no Reino Unido e na Itália que, em seus dados, demonstra uma queda significativa nas relações sexuais principalmente de pessoas solteiras e essa pesquisa também mostra que as mulheres tiveram maior probabilidade de sofrer com estresse, ansiedade, falta de atividade sexual e insatisfação na vida sexual.

Também temos pesquisas que demonstram um grande impacto do atual contexto na sexualidade das pessoas LGBTQIA+. Homens também entraram nessas pesquisas, porém os impactos foram em menor proporção.

Mas enfim, como lidar com o sexo na Pandemia?

A Covid-19 não é considerada uma Ist (Infecção Sexualmente Transmissível) porém, durante uma relação sexual, trocamos facilmente secreções de vias aéreas, pois como sabemos as relações sexuais não são feitas apenas de penetrações ou contato apenas com genitais. Mas, sim, é possível manter uma vida sexual saudável na quarentena.

Inclusive em Nova York, nos Estados Unidos, foi criada uma cartilha de orientações para REDUÇÃO DE DANOS no sexo durante a pandemia. E sabe qual a primeira orientação desse guia? Que, nesse momento que estamos enfrentando, cada pessoa é a sua pessoa mais segura. Incentivando a masturbação. Atualmente contamos com o mercado de brinquedos sexuais em ascensão, o que possibilita novas experiências em relação ao prazer no momento íntimo sozinha (o).

Esse guia também aborda sobre as práticas sexuais virtuais, apontando que o número de adeptos ao sexo virtual aumentou em tempo de isolamento. Mas independente dos cenários, vale lembrar que os cuidados sempre são necessários quando falamos em relações virtuais.

 As orientações de forma geral são muito interessantes, falam sobre vida real e conseguem dialogar com pessoas que possuem desejos, ansiedade, solidão e tesão. Pessoas que talvez não topem ficar abstinentes por meses, anos ou enquanto durar a Pandemia. Pessoas como qualquer outra de todo mundo!

Considero que essas orientações também devem ser válidas para nós para que possamos em meio desse momento difícil ao menos tentar ter uma vida sexual saudável e satisfeita levando em consideração o mais importante nesse momento, a segurança e distanciamento social. E lembrem-se sempre: A HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DEVE ACONTECER ATÉ MESMO NESSAS HORAS.

        

Para sugestões: [email protected]

Instagram: @isabelamanchini

Publicidade

Últimas colunas

WAGNER BALERA
WAGNER BALERA A INCLUSÃO DOS EXCLUÍDOS: NOVA LEI REGULADORA DO SUPERENDIVIDAMENTO
A INCLUSÃO DOS EXCLUÍDOS: NOVA LEI REGULADORA DO SUPERENDIVIDAMENTO
Claudio Freitas
Claudio Freitas VOCÊ POESIA...
VOCÊ POESIA...
Jótha Marthyns
Jótha Marthyns CAPIM, PARA O ELEITOR
CAPIM, PARA O ELEITOR

Últimas colunas

WAGNER BALERA
WAGNER BALERA A INCLUSÃO DOS EXCLUÍDOS: NOVA LEI REGULADORA DO SUPERENDIVIDAMENTO
A INCLUSÃO DOS EXCLUÍDOS: NOVA LEI REGULADORA DO SUPERENDIVIDAMENTO
Claudio Freitas
Claudio Freitas VOCÊ POESIA...
VOCÊ POESIA...
Jótha Marthyns
Jótha Marthyns CAPIM, PARA O ELEITOR
CAPIM, PARA O ELEITOR

Publicidade