Logo Portal Ternura
13/07 - IBITINGA-SP
° °
Juliana Boldrin

Juliana Boldrin


Transtorno alimentar: Bulimia Nervosa


Por recorrência aos padrões de beleza impostos pela sociedade atual, a preocupação

excessiva em manter o corpo magro tem crescido cada vez mais, e, com isso, também cresce o

índice de pessoas portadoras de transtornos alimentares, como a bulimia.

A bulimia nervosa é caracterizada por comportamentos alimentares não saudáveis – os

portadores costumam ingerir compulsivamente grandes quantidades de alimentos em um curto

intervalo de tempo, ocasionando sensação física desagradável e o sentimento de falta de controle. A

partir disso, a pessoa passa a recorrer a comportamentos compensatórios para impedir o ganho de

peso.

A causa exata da bulimia é desconhecida, no entanto, fatores traumáticos, psicológicos,

sociais ou genéticos, podem contribuir para o seu desenvolvimento. É mais comum que ela ocorra

em mulheres, adolescentes e jovens.

Os seus principais sintomas são:

  •  Induzir o vômito após as refeições.
  •  Usar laxantes e diuréticos em excesso
  •  Praticar exercícios físicos em excesso.
  •  Comer escondido grande quantidade de comida e evitar comer diante de outras pessoas.
  •  Ter sentimentos de tristeza, vergonha, ansiedade, angústia ou culpa após ingestão excessiva
  • dos alimentos.

Os transtornos alimentares geram grandes danos à saúde, podendo levar até a morte. No caso da

bulimia, as principais consequências são:

  •  Desidratação;
  •  Cáries e desgaste dentário,
  •  Ressecamento da pele;
  •  Cansaço;
  •  Inflamações na boca e na garganta;
  •  Fadiga;
  •  Desmaios;
  •  Arritmias cardíacas;
  •  Problemas gástricos intestinais

As pessoas portadoras de bulimia normalmente não admitem ter o transtorno, e, por manterem o

peso corporal aparentemente normal, podem levar anos sem serem descobertas.

Para o tratamento adequado, a pessoa com estes sintomas precisa de atendimento psicológico,

que irá contribuir para a recuperação da autoestima e ajudará a avaliar e entender os seus

sentimentos, pensamentos e a ter comportamentos assertivos em relação à alimentação. Também é

indispensável o auxílio médico para a prescrição de medicamentos e o acompanhamento de um

nutricionista para auxiliar na escolha alimentar mais adequada e saudável.

Fique atento: se a preocupação com a magreza deixou de ser uma vaidade normal e passou a ser

algo obsessivo, procure ajuda!

 

Psicóloga Juliana Boldrin

Atendimentos para crianças, jovens, adultos e casais.

Fone: (16) 99799- 4770

Clínica FisioMais

 

Facebook: https://www.facebook.com/psicologajulianaboldrin

Câmara Municipal de Ibitinga

Últimas colunas

Jótha Marthyns

Jótha Marthyns

Covid-19: de mãos dadas com a maldição de Cronos

Covid-19: de mãos dadas com a maldição de Cronos
Elizandra Souza

Elizandra Souza

Pandemia e ansiedade infantil

Pandemia e ansiedade infantil
José de Paiva Netto

José de Paiva Netto

O Divino Referencial Jesus

O Divino Referencial Jesus