RESPEITO À VIDA COM VISÃO DE ESTADO

Compartilhe:

Quatrocentas vidas salvas. Graças a uma efetiva ação de política pública do Governo de São Paulo, via Programa Respeito à Vida, pais e mães de Antônios, Marias, Josés, Isabéis, Joaquins, Joanas, Franciscos, entre outras potenciais vítimas, não choraram a perda dos seus filhos no trânsito.

A boa nova é resultado da redução do número de mortes no trânsito da ordem de 7,5% nos últimos três anos. Segundo dados do Infosiga, base de dados do programa, a queda foi de 5,2 mil em 2018 para 4,8 mil em 2021, correspondendo a uma redução de 8% de acidentes no período.

Para avançar ainda mais nesta frente de reduzir óbitos no trânsito - talvez a missão mais nobre do Detran.SP -, serão destinados R$ 500 milhões do programa Respeito à Vida em todo o estado em 2022. É o maior investimento da história. Os montantes serão distribuídos conforme a população e as ocorrências no trânsito registradas nos 645 municípios.

Desde 2015, o Programa Respeito à Vida disponibilizou R$ 190 milhões para intervenções urbanas, com 4,2 mil obras viárias concluídas em 304 municípios da ação e 10 mil em andamento. Em sete anos, são quase R$ 700 milhões alocados para a redução de óbitos.

O resultado do investimento está em linha ao que recomenda a ONU. Em 10 anos, o Estado de São Paulo registrou uma queda de 32% nos óbitos em acidentes de trânsito, mesmo com o crescimento de 50% de sua frota de veículos. Desse número, 55% referem-se às ocorrências nos municípios e 45% nas rodovias. Já a queda nas fatalidades a nível nacional foi de 22%.

Em São Paulo respeitar a vida é investir em obras. Tanto assim que o governador Rodrigo Garcia determinou o investimento também, via DER, de mais de R$ 8 bilhões em melhorias de 8 mil quilômetros em 791 rodovias em todo o Estado. Com estrada asfaltada e novas estradas vicinais, é mais segurança na mobilidade urbana, menos acidentes e menos óbitos.

De acordo com o mapeamento de ocorrências de trânsito no local, a nova etapa do programa realizará melhorias viárias como recapeamento asfáltico, sinalização, rampas de acessibilidade, faixas de pedestres, lombofaixas e lombadas, iluminação de faixas de pedestres, ciclofaixas e ciclovias e instalação de conjuntos semafóricos.

Da mesma forma que imposto deve ser revertido em benefícios para a população em obras e serviços, dinheiro arrecadado com multas precisa servir de combustível para a realização de campanhas educativas para a formação de motoristas cidadãos e intervenções de segurança viária.

Em um cenário em que o trânsito ainda não prima pela civilidade nas vias públicas, salvar vidas passou a ser uma questão de Estado. Com o olhar, acima de tudo, na integridade física dos munícipes e não no balancete do Governo. Até porque em gestão pública a prioridade número um é investir no bem comum. Nada é mais importante.

Publicidade

Últimas colunas

Pedro Cardoso da Costa
Pedro Cardoso da Costa VOTO FACULTATIVO OU NULO
VOTO FACULTATIVO OU NULO
Marcos Moreno
Marcos Moreno NÃO VOU TE RASTREAR
NÃO VOU TE RASTREAR
Jótha Marthyns
Jótha Marthyns MORADIAS CRÔNICAS
MORADIAS CRÔNICAS

Últimas colunas

Pedro Cardoso da Costa
Pedro Cardoso da Costa VOTO FACULTATIVO OU NULO
VOTO FACULTATIVO OU NULO
Marcos Moreno
Marcos Moreno NÃO VOU TE RASTREAR
NÃO VOU TE RASTREAR
Jótha Marthyns
Jótha Marthyns MORADIAS CRÔNICAS
MORADIAS CRÔNICAS

Publicidade