Logo Portal Ternura
13/07 - IBITINGA-SP
° °
Psicóloga Talita Andrade Deltorto

Psicóloga Talita Andrade Deltorto


A fase das mordidas


Nos primeiros anos de vida (1° ao 4°) as crianças estão aprendendo a falar, contudo a verbalização ainda não é a maneira com a qual estão habituadas a se manifestar. Ainda nesse período a forma de comunicação esta voltada ao corpo e através dele a criança comunica suas alegrias e descontentamentos.

Uma das maneiras com as quais as crianças comunicam descontentamento, raiva ou mesmo estresse é a mordida e esse comportamento deixa preocupado e gera desconforto entre pais, cuidadores e professores uma vez que as mordidas são doloridas, deixam marcas, a criança fica assustada (a que foi mordida) e que mordeu também por conta das reações dos adultos em torno dos acontecimentos.

A primeira coisa a fazer numa situação como essa é cuidar da criança que recebeu a mordida e esse pode ser um momento de aprendizagem para aquele que mordeu, convide-o a cuidar do amigo, explique que machuca, que dói, que o amigo está triste, ensine a pedir desculpas.

Muito importante não taxar a criança como agressiva e auxilia- la na compreensão de que é possível pedir um brinquedo, que ela deve esperar a vez, que dá pra brincar com mais amigos e aos poucos ela vai aprendendo a dominar suas emoções e reações diante das situações.

Sempre que uma criança que tende a morde for em direção aos brinquedos em que tenham mais crianças perto brincando é aconselhável que o adulto esteja junto ou fique perto para intermediar as situações que possam vir a acontecer.

Cabe ao adulto ensinar a criança a entender que tipo de ações são boas e que tipo de ações não são adequadas, ensinar que carinhos (toque suaves), abraços (sem esmagar), beijos são sempre bem vindos e fazem bem.

Assim que a criança vai adquirindo a verbalização, a pedir, a esperar as mordidas dando lugar as conversas e a outros recursos para solucionar os problemas.

Crianças maiores que ainda se utilizam de mordidas precisam ser acompanhadas para um bom entendimento do porque ainda recorrem a esse tipo de postura.

Um Abraço da Psi a todos!

Psicóloga Talita Andrade Deltorto -(Atendimento da criança e da família.)

Agendamentos: (16)99158-4014

Câmara Municipal de Ibitinga

Últimas colunas

Jótha Marthyns

Jótha Marthyns

Covid-19: de mãos dadas com a maldição de Cronos

Covid-19: de mãos dadas com a maldição de Cronos
Elizandra Souza

Elizandra Souza

Pandemia e ansiedade infantil

Pandemia e ansiedade infantil
José de Paiva Netto

José de Paiva Netto

O Divino Referencial Jesus

O Divino Referencial Jesus