Brawn revela que Hulk era "plano B" da Mercedes caso Hamilton não assinasse: "Deveria estar na F1"

Diretor esportivo da Fórmula 1 acredita que alemão, substituto de Sergio Pérez no GP da Inglaterra e no GP dos 70 Anos, merecia estar no grid atual da categoria

Compartilhe:

Antes sem previsão de retorno para a Fórmula 1, Nico Hülkenberg se viu diante de uma nova oportunidade quando foi chamado para substituir Sergio Pérez na Racing Point depois que o mexicano testou positivo para o coronavírus. O bom desempenho do alemão surpreendeu Ross Brawn, diretor esportivo da F1, que revelou que Hülkenberg era a segunda opção da Mercedes para 2013 caso Lewis Hamilton, então piloto da McLaren, não aceitasse a proposta da equipe.

O dirigente britânico foi proprietário da Brawn GP em 2009 e atuou na direção técnica da Benetton e da Ferrari ao lado de Schumacher, ocupando a mesma função na equipe alemã e atual hexacampeã de construtores até 2013.

Ross Brawn, diretor esportivo da Fórmula 1, em Silverstone — Foto: Clive Mason/Formula 1 via Getty Images

Ross Brawn, diretor esportivo da Fórmula 1, em Silverstone — Foto: Clive Mason/Formula 1 via Getty Images

- Eu quase assinei com ele alguns anos atrás, quando eu estava no comando na Mercedes. Se Lewis não tivesse se juntado à Mercedes, Nico era nossa próxima opção - revelou Brawn.

Na época, em 2012, Hülkenberg fazia sua primeira temporada pela Force India - antigo nome da Racing Point. Correndo ao lado do britânico Paul di Resta, superou o colega terminando a temporada em 11º e obteve como melhor resultado um quarto lugar, no GP da Bélgica.

Do outro lado, porém, existia um Lewis Hamilton em franca ascenção na categoria. Campeão em 2008, o britânico concluiu sua passagem pela McLaren com quatro vitórias e sete pódios em um ano dominado pela rivalidade entre Sebastian Vettel, então na RBR, e Fernando Alonso, ex-piloto da Ferrari.

Hülkenberg fez sua estreia na Force India, hoje Racing Point, em 2012 — Foto: Clive Mason/Getty Images

Hülkenberg fez sua estreia na Force India, hoje Racing Point, em 2012 — Foto: Clive Mason/Getty Images

No entanto, não foi necessário que Hülkenberg fosse acionado. Lewis Hamilton concordou com a proposta da Mercedes e, em setembro de 2012, fechou com a equipe um acordo de três anos para substituir Michael Schumacher, que se aposentou no fim do ano. Nos anos seguintes, história: conquistou cinco títulos e somou 66 vitórias.

Voltando aos dias de hoje, Hülkenberg, substituto de Pérez na Racing Point, não tem um assento oficial na Fórmula 1. Depois de finalizar a temporada de 2019 pela Renault, o alemão foi substituído por Esteban Ocon, que também faz seu retorno à categoria, e desde então, esteve fora do grid.

Nas duas corridas que disputou com o RP20, o alemão apresentou um desempenho sólido, levando em conta que não corria desde dezembro e não pôde participar de testes com o novo carro, como o restante dos pilotos.

Nico Hülkenberg após o GP dos 70 Anos da Fórmula 1, no Circuito de Silverstone, em 2020 — Foto: Bryn Lennon/Getty Images

Nico Hülkenberg após o GP dos 70 Anos da Fórmula 1, no Circuito de Silverstone, em 2020 — Foto: Bryn Lennon/Getty Images

Na etapa da Inglaterra, ficou entre os dez primeiros nos treinos, apesar de ter se classificado somente em 12º e sequer largar por problemas no motor. Já no GP dos 70 anos, Hülkenberg chegou a andar entre os quatro primeiros nas sessões de sexta e sábado e completou a corrida em sétimo lugar, depois de largar da terceira colocação.

Para Ross Brawn, os resultados do alemão em seu breve retorno à Fórmula 1, que o impressionaram, mostram que ele deveria fazer parte do grid. A permanência na Racing Point seria uma possibilidade, já que a equipe, potencial destino para Sebastian Vettel em 2021, ainda não definiu sua dupla para o próximo ano:

- Isso (voltar a correr) foi um desafio físico incrível para Nico Hülkenberg, e não sei o quanto ele se sentiu mal após a corrida, mas que grande perfomance em todo o fim de semana para alguém que acabou de ser largado. Sempre o respeitei grandiosamente como piloto. Ele é um piloto muito forte que deveria estar na Fórmula 1.

Fonte:https://globoesporte.globo.com/motor/formula-1/noticia/brawn-revela-que-hulk-era-plano-b-da-mercedes-caso-hamilton-nao-assinasse-deveria-estar-na-f1.ghtml

Compartilhe:

Comentários (0)

silhueta de um avatar

Escreva seu cometário...

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Publicidade

Mais notícias sobre Esportes

Confira os resultados da rodada do Brasileirão

Confira os resultados da rodada do Brasileirão

Confira os resultados da rodada do Brasileirão

Acredite, se quiser

Acredite, se quiser

Atlético-MG volta a negociar com Hulk, que irá definir futuro da carreira na próxima semana

Atlético-MG volta a negociar com Hulk, que irá definir futuro da carreira na próxima semana

Para acelerar adaptação à Ferrari, Sainz testará carro de 2018 na próxima semana, diz revista

Para acelerar adaptação à Ferrari, Sainz testará carro de 2018 na próxima semana, diz revista

Mais notícias sobre Esportes

Confira os resultados da rodada do Brasileirão

Confira os resultados da rodada do Brasileirão

Confira os resultados da rodada do Brasileirão

Acredite, se quiser

Acredite, se quiser

Atlético-MG volta a negociar com Hulk, que irá definir futuro da carreira na próxima semana

Atlético-MG volta a negociar com Hulk, que irá definir futuro da carreira na próxima semana

Para acelerar adaptação à Ferrari, Sainz testará carro de 2018 na próxima semana, diz revista

Para acelerar adaptação à Ferrari, Sainz testará carro de 2018 na próxima semana, diz revista

Publicidade