Presidente da Ferj diz que Maracanã está pronto para receber público, mas avisa: "Cabe à CBF dizer se vai poder ou não"

Em debate sobre a volta do público nos jogos de futebol, secretário da Prefeitura pediu participação da população. Rubens Lopes diz que pode pedir ampliação pra 40%

Compartilhe:

O presidente da Ferj, Rubens Lopes, disse que o Maracanã está pronto para receber público no jogo Flamengo x Athletico, dia 4 de outubro. Porém, confirmou que a CBF precisa autorizar a abertura do estádio. Isto porque há diretriz técnica em vigor que prevê jogos de portões fechados. Sem público.

Rubinho recebeu Gutemberg de Paula, Secretário Municipal de Ordem Pública, Ronaldo Lima, Secretário Nacional do Futebol, Severiano Braga, CEO do Complexo do Maracanã e mais dois jornalistas que participaram do debate.

- Podemos quase que garantir no que for de competência e atribuição do Maracanã e dos órgãos que fazem parte da partida estará tudo pronto. Agora, depende, cabe à CBF se vai poder ou não. O poder publico está liberado. Nós cumprimos tudo aquilo exigido em termos de biossegurança, das regras de ouro, agora em termos administrativos depende da entidade que administra. Não nos cabe sequer da palpite - disse o presidente da Ferj.

O presidente da Ferj explicou que o estádio precisará estar todo aberto, em diversos setores, mesmo que para receber 30% do público. Ou seja, "para espalhar o público pelo estádio", como disse Rubinho. No fim da transmissão da TV Ferj, o presidente chegou a falar em ampliar o acesso para 40%, isto porque viu que em Rondônia já está autorizado esse percentual para entrada de público.

Ex-árbitro de futebol, Gutemberg de Paula disse que o Rio de Janeiro está pronto para receber público nos estádios. Ele pediu participação responsável da população neste processo:

– Neste momento a gente vem tentando o tempo todo que a população tenha conscientização de que é muito importante a participação dela, que sem ela, sem dúvida algum a gente não vai lograr êxito. É uma grande oportunidade para gente levar a mensagem e que o torcedor tenha a consciência de que é muito importante a utilização de máscara, é muito importante não aglomerar... Por isso, a gente aproveita, tomando todas as medidas, mas também que o cidadão tenha a mensagem de que com a conscientização dele vai ser, sem dúvida alguma, muito mais eficaz.

Debate do retorno do futebol ao estádio de futebol — Foto: Reprodução

Debate do retorno do futebol ao estádio de futebol — Foto: Reprodução

Já o presidente da Ferj, Rubens Lopes, citou o secretário-executivo do Ministério da Saúde para argumentar a favor do retorno gradual dos torcedores aos estádios:

– O binômio saúde e economia em relação ao momento que se vive é indissociável. Um está diretamente relacionado ao outro. Está mais do que claro para todo mundo que nós precisamos cuidar dessas duas variáveis: da saúde, desse problema de saúde pública que está acontecendo, da pandemia, mas temos que cuidar da economia também. O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Coronel Antônio Élcio Franco Filho, em uma entrevista disse: "Temos que nos adaptar à nova realidade e absorver hábitos, mas não podemos parar de viver. E com toda segurança possível temos que iniciar essa retomada das atividades que são necessárias até para nossa saúde mental".

Veja outros trechos do debate:

Mediador: Está tudo pronto para o Maracanã receber o público?

Severiano Braga, CEO do Complexo do Maracanã:

- Realmente o Maracanã sem torcida não é bacana, é triste. Nós fizemos o Carioca, estamos começando o Brasileiro, realmente sem aquela torcida, sem aquele Maracanã pulsando... Falta um pedaço.

- A gente está preparando o Maracanã, sim. A gente preparou a parte da área das competições, a parte que os jogadores utilizam, onde as delegações entram, os repórteres têm praticado suas atividades nesses jogos... Como o Gutemberg falou, a gente sabia que ia voltar, mas não sabia quando e como seria. Mas a gente do Maracanã sempre falou "tem que voltar", a gente precisa ter o Maracanã preparado. A gente já vem trabalhando desde que voltou o Campeonato Carioca, já vem preparando, conversando e vendo internamente como a gente vai fazer para receber essa torcida. O que o Gutemberg falou e é muito importante é que a gente tem a parte do lado de fora, de Ordem Pública, que tem que nos ajudar e sempre tem ajudado... O Maracanã com todos os atores envolvidos, externos e internos, tem uma boa parceria, uma boa sinergia. Às vezes o que acontece de ruim do Maracanã reflete do lado de dentro, no ânimo do torcedor. É aquele negócio: se você vai entrar em um restaurante, em algum lugar, e na primeira entrada você é bem tratado, lá dentro você vai se sentir melhor.

- A gente precisa de todos os atores trabalhando em conjunto. Internamente a gente está se preparando. Ainda não está 100%, mas a gente vem trabalhando para se tudo der certo na primeira semana de outubro a gente receber a população, os torcedores dentro do estádio. A gente realmente precisa dessa conscientização do torcedor, a gente vai dar um passo muito importante, muito grande. Todos têm que fazer, cumprir sua parcela. O torcedor entra com máscara, a gente vai disponibilizar álcool, vai ter a cadeira dele para poder sentar, ele torcer para o clube dele, ficar feliz, ele sair bem. A gente tem uma chance muito grande de dar o exemplo bem feito, então quando você já larga bem, você já fica mais confiante para você subir degrau por degrau. A gente em conjunto com todas as pessoas que estão aqui conversando a gente quer sim deixar o Maracanã pronto para o público voltar. A gente está com muitas saudades desse Maracanã pronto.

Maracanã Fluminense x Corinthians — Foto: Divulgação/Corinthians

Maracanã Fluminense x Corinthians — Foto: Divulgação/Corinthians

Mediador: como você vê esse retorno do futebol?

Eraldo Leite, presidente da Acerj:

- Como o Severiano falou, a gente está doido para ver o público no estádio outra vez. A gente senta falta. Por mais que tenham as torcidas fakes, nas caixas de som, não é a mesma coisa. Mas a gente está levantando esse debate em um momento que estamos preocupados com o jogo que vai acontecer logo mais, do Flamengo, clube que mais lota o Maracanã, que mais leva público ao estádio, que mais movimenta o maior estádio do mundo. Pode não ser o maior em termos de capacidade, mas é o maior em termos de importância. E o Flamengo está nesse drama de jogar ou não jogar porque sete jogadores foram contaminados. Outro dia eu levantei esse debate de por que está acontecendo tanta contaminação agora. A gente passou um Campeonato Carioca sem contaminação praticamente. Nós voltamos com tantos cuidados, tanta atenção... Por exemplo, na área de imprensa, em todos aqueles jogos do restante do Carioca, não houve uma contaminação. E no futebol mesmo, no campo, um ou outro que pode ter surgido até em treinamentos, não ali na hora do jogo. Quando se falou na volta do futebol naquele momento, que era imprudente, e era mesmo, eu fui uma voz um pouco mais cautelosa. Se com esses cuidados que a gente vê o Flamengo e Vasco tomarem - Fluminense e Botafogo eram contra -, você pelo jeito vai se sentir mais protegido lá do que até mesmo dentro de casa ou em um ambiente de trabalho... E estávamos num momento muito mais grave da pandemia, mais agudo da contaminação. E de fato o Campeonato Carioca correu muito bem. Mas de um tempo para cá, desde que o Brasileiro começou, a gente está percebendo em todas as rodadas surgirem duas, três, quatro contaminações de jogadores. Será dentro de campo? No vestiário? No treinamento? Esse dado não existe. Nós não conseguimos saber, nem nós, nem os médicos.

- A gente está ampliando a discussão do que está acontecendo em relação à pandemia em um momento que acontece uma contaminação grave no Flamengo e fica todo mundo preocupado. O senso comum fica pensando "estão discutindo público no estádio e o Flamengo contaminado com sete jogadores". Uma coisa é uma coisa. Outra coisa é outra coisa. É preciso separar. Mas o senso comum, o que a gente vê nas redes sociais, nos nossos contatos pessoais, a discussão é essa...

- Entrando de fato na questão dos 30% nos estádios, é preciso que a gente entenda melhor, eu já vi Severiano falar que "você vai ter seu lugar marcado"... Se a gente conseguir, é um fato difícil para o público brasileiro, se a gente conseguir observar o lugar marcado com apenas 30%, com 20 mil pessoas no Maracanã onde cabem 70 mil. Se 20 mil de fato respeitarem o distanciamento, se de fato respeitarem o uso de máscara, se de fato respeitarem essas principais normas, acho que a gente não vai correr grandes riscos. Risco zero não existe. Os médicos estão aí para dizer, para informar o tempo inteiro. Você reduz ao mínimo de contágio. A gente precisa entender bem esse protocolo, como ele vai funcionar, como vai ser a aferição de temperatura na entrada... Hoje está funcionando com a imprensa e com os times que jogam, mas recentemente o número de casos aumentou.

Fonte:https://globoesporte.globo.com/futebol/noticia/gutemberg-de-paula-pede-conscientizacao-dos-torcedores-em-retorno-aos-estadios-importante-nao-aglomerar.ghtml

Compartilhe:

Comentários (0)

silhueta de um avatar

Escreva seu cometário...

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Publicidade

Publicidade

Mais notícias sobre Esportes

Maior vencedor da Fórmula 1, Lewis Hamilton ainda pode derrubar outros recordes

Maior vencedor da Fórmula 1, Lewis Hamilton ainda pode derrubar outros recordes

Maior vencedor da Fórmula 1, Lewis Hamilton ainda pode derrubar outros recordes

Luísa Stefani é derrotada na decisão e é vice-campeã no WTA de Ostrava

Luísa Stefani é derrotada na decisão e é vice-campeã no WTA de Ostrava

Antes de fazer última luta da carreira, Anderson Silva recebe recados de lendas do esporte

Antes de fazer última luta da carreira, Anderson Silva recebe recados de lendas do esporte

Barcelona comunica lesão, e Philippe Coutinho está fora do jogo contra a Juventus

Barcelona comunica lesão, e Philippe Coutinho está fora do jogo contra a Juventus

Publicidade

Mais notícias sobre Esportes

Maior vencedor da Fórmula 1, Lewis Hamilton ainda pode derrubar outros recordes

Maior vencedor da Fórmula 1, Lewis Hamilton ainda pode derrubar outros recordes

Maior vencedor da Fórmula 1, Lewis Hamilton ainda pode derrubar outros recordes

Luísa Stefani é derrotada na decisão e é vice-campeã no WTA de Ostrava

Luísa Stefani é derrotada na decisão e é vice-campeã no WTA de Ostrava

Antes de fazer última luta da carreira, Anderson Silva recebe recados de lendas do esporte

Antes de fazer última luta da carreira, Anderson Silva recebe recados de lendas do esporte

Barcelona comunica lesão, e Philippe Coutinho está fora do jogo contra a Juventus

Barcelona comunica lesão, e Philippe Coutinho está fora do jogo contra a Juventus

Publicidade