Thaisa queria o 3º ouro olímpico, mas as dores não deixaram

A jogadora sabia que seria convocada paras as Olimpíadas de Tóquio, por isso o anúncio de aposentadoria da seleção brasileira de vôlei pegou o técnico José Roberto Guimarães e as companheiras de surpresa

Compartilhe:

A dor que Thaisa deveras sente não dá para fingir. Após a final da Superliga, na qual conquistou o título de campeã e de melhor jogadora da maior competição nacional de vôlei do país, a central do Minas não conseguia segurar a alegria pela superação de uma das fases mais difíceis da carreira. Mas também não conseguia suportar as dores.

Se os joelhos da bicampeã olímpica não doessem mais, ela estaria nos Jogos Olímpicos de Tóquio a partir de 23 de julho deste ano. Mas jogar dia sim dia não na capital japonesa já era algo que preocupava Thaisa nas últimas semanas. Mesmo assim, sabendo que José Roberto Guimarães iria convocá-la, aceitou ser chamada para buscar o tricampeonato inédito para uma brasileira em Olimpíadas. A confirmação, porém, viria após a sequência de jogos das finais da Superliga. Ela atingiu o objetivo, deixou a competição como a melhor do Brasil. Mas o preço teria que ser pago no dia seguinte.

Thaisa, com os olhos ainda cheios de lágrimas após a conquista, segura o  troféu de campeã da Superliga — Foto: Wander Roberto/Inovafoto/CBV

Thaisa, com os olhos ainda cheios de lágrimas após a conquista, segura o troféu de campeã da Superliga — Foto: Wander Roberto/Inovafoto/CBV

Thaisa queria estar em Tóquio. Mas queria estar 100% física e mentalmente comprometida com a seleção. O que já não é possível. Na terça-feira, um dia depois da consagração na quadra do centro de treinamento do vôlei em Saquarena, no Rio, tomou a decisão: aposentar-se da seleção brasileira. O anúncio dela seria feito no dia seguinte, em uma carta, nas redes sociais. A ideia era se antecipar à divulgação da segunda parte da lista de convocadas de Zé Roberto, na qual ela estaria. No entanto, notícia ruim corre rápido. E na própria terça Thaisa confirmara o que via como inevitável.

O próprio técnico da seleção brasileira soube na tarde de terça. Até mesma as companheiras de seleção, que estão em Saquarema, foram surpreendidas pelo anúncio. E lamentaram. Mas também elogiaram o sacrifício de Thaisa.

- Tomei uma das decisões mais difíceis da minha carreira como atleta profissional. Inevitavelmente, todos querem saber se estarei com a seleção brasileira nas próximas competições – inclusive a Olimpíada de Tóquio. Mas, infelizmente, a resposta é não. Hoje, despeço-me da seleção com muita, muita mesmo, dor no peito. São mais de 14 anos dedicados a defender nosso país na seleção adulta – (18 considerando a base ) - e , sempre com garra e respeito que a bandeira merece. Nunca faltou amor e entrega nesta história linda para os dois lados - escreveu a central de 33 anos, campeã olímpica em Pequim 2008 e Londres 2012, que ainda disse que pretende continuar atuando por clubes.

O discurso de Thaisa para negar a convocação para jogar a Liga das Nações, que começa nas próxima semana, e posteriormente ir aos Jogos de Tóquio é semelhante ao da amiga e companheira de ouros olímpicos Sheilla. A ponteira que atuou a última temporada na recente liga criada nos Estados Unidos também disse que não iria às Olimpíadas se não fosse para colaborar com o time e estar 100% em condições de jogar. Sheilla não está na primeira lista de Zé Roberto para a Liga das Nações. Mas também não está 100% descartada, para usar o mesmo parâmetro usado por elas para estar no time de Zé Roberto na capital japonesa. A ponteira, inclusive, treinou com o comandante da seleção brasileira em Barueri antes de ir para a liga americana. Ou seja, ele sabe as reais condições dela.

Sem Thaisa, sem Jaqueline (que não foi chamada na primeira lista de Zé Roberto), sem Sheilla e sem Fabiana Claudino, que espera o nascimento do filho Asaf para os próximos dias, a seleção brasileira deve ir a Tóquio sem a chance de ao menos uma jogadora conquistar o terceiro ouro olímpico e igualar a fantástica geração cubana, única tricampeã, com Regla Bell, Idalmis Gato, Lilia Izquierdo, Mireya Luiz e Regla Torres (todas elas campeãs por Cuba em 1992, 1996 e 2000).

Tóquio poderia ser mais um lugar para Thaisa deixar seu lugar na história do vôlei. Lamentam os torcedores, os fãs, as companheiras, o treinador. Contudo, só ela sabe a dor que sente.

Fonte:https://globoesporte.globo.com/olimpiadas/blogs/blog-olimpico/post/2021/04/07/thaisa-queria-o-3o-ouro-olimpico-mas-as-dores-nao-deixaram.ghtml

Compartilhe:

Comentários (0)

silhueta de um avatar

Escreva seu cometário...

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Publicidade

Mais notícias sobre Esportes

Curry bate três recordes em uma semana e supera Kobe e Chamberlain

Curry bate três recordes em uma semana e supera Kobe e Chamberlain

Curry bate três recordes em uma semana e supera Kobe e Chamberlain

Rômulo é apresentado de volta ao Vasco e afirma: "Um dos dias mais felizes da minha vida"

Rômulo é apresentado de volta ao Vasco e afirma: "Um dos dias mais felizes da minha vida"

Rei da América, Marinho pede regularidade ao Santos para avançar na Libertadores

Rei da América, Marinho pede regularidade ao Santos para avançar na Libertadores

Pep Guardiola se sente desconfortável com Superliga europeia e questiona critérios

Pep Guardiola se sente desconfortável com Superliga europeia e questiona critérios

Mais notícias sobre Esportes

Curry bate três recordes em uma semana e supera Kobe e Chamberlain

Curry bate três recordes em uma semana e supera Kobe e Chamberlain

Curry bate três recordes em uma semana e supera Kobe e Chamberlain

Rômulo é apresentado de volta ao Vasco e afirma: "Um dos dias mais felizes da minha vida"

Rômulo é apresentado de volta ao Vasco e afirma: "Um dos dias mais felizes da minha vida"

Rei da América, Marinho pede regularidade ao Santos para avançar na Libertadores

Rei da América, Marinho pede regularidade ao Santos para avançar na Libertadores

Pep Guardiola se sente desconfortável com Superliga europeia e questiona critérios

Pep Guardiola se sente desconfortável com Superliga europeia e questiona critérios

Publicidade