Logo Portal Ternura
26/08 - IBITINGA-SP
° °

50 anos depois de viagem à lua, empresas apostam no espaço

Os EUA decidiram em 2011 que empresas privadas, como SpaceX e Blue Origin, seriam responsáveis pelo transporte de astronautas e tecnologia para o espaço.



50 anos: no dia 16 de julho de 1969, a missão Apollo 11 rumou em direção ao espaço; no dia 20 de julho, Neil Armstrong e Buzz Aldrin caminharam em solo lunar pela primeira vez (NASA/Handout/Reuters)

 

Há 50 anos, a humanidade pegava impulso para dar um salto. A tripulação do Apollo 11 decolou rumo ao espaço em uma missão que consolidava um desejo do presidente norte-americano John F. Kennedy: levar um homem à Lua. No dia 20 de julho de 1969, Neil Armstrong e Buzz Aldrin caminharam em solo lunar.

Nos três anos seguintes, outros dez astronautas dos Estados Unidos também foram ao satélite. Desde então, ninguém repetiu a façanha, mas alguns empresários querem tentar.

O desejo de chegar à lua nasceu da queda de braço da Guerra Fria. O projeto Apollo, desenvolvido pela Nasa, a agência espacial norte-americana, surgiu para que o país pudesse competir com a União Soviética, que lançou o primeiro satélite artificial em 1957.

Em 1961, Yuri Gagarin se tornou o primeiro homem a ir ao espaço, o que impulsionou os norte-americanos na corrida tecnológica. Logo após o anúncio soviético, Kennedy anunciou que os Estados Unidos levariam um homem à Lua até o final da década.

No total, o país gastou 25 bilhões de dólares — 288 bilhões em valores ajustados — no projeto. Além do feito histórico, as viagens resultaram em 380 quilos de solo e rochas lunares, guardadas hoje no Johnson Space Center.

Nas décadas seguintes à caminhada de Armstrong, com a consolidação dos norte-americanos como tecnologicamente superiores aos soviéticos, o projeto perdeu apoio popular e governamental. Com o tempo, a Nasa deixou de receber 5% do Orçamento, como acontecia na década de 1960, para ganhar cerca de 0,5% em 2018.

Em 2011, a Nasa anunciou publicamente que empresas particulares seriam responsáveis pelo transporte de astronautas e cargas para fora do planeta. Um dos empreendedores dispostos a investir no espaço é Elon Musk, fundador do site de pagamentos PayPal, dono da fabricante de carros elétricos Tesla e criador da SpaceX, empresa que possui o foguete mais potente do mundo, o Falcon Heavy.

O outro é Jeff Bezos, fundador da varejista online Amazon, que criou a Blue Origin para entrar no setor aeroespacial. Só com a competição entre elas, o custo das decolagens já caiu 30%. Tudo se deve a uma tecnologia que permite que se reaproveite o foguete depois do pouso de volta na Terra.

As empresas planejam lucrar com viagens turísticas para a Estação Espacial Internacional, que recentemente foram aprovadas pela Nasa e custam 35.000 dólares o dia, fora o preço da viagem de foguete. Os bilionários também sonham com o dia em que ajudarão a humanidade a colonizar Marte.

Enquanto a missão para o planeta vermelho não acontece, o governo norte-americano está inclinado novamente para o solo lunar. Segundo o governo de Donald Trump, há planos de levar humanos para a superfície da Lua novamente em 2024, em um programa chamado de Ártemis — na mitologia grega, a deusa da lua, irmã de Apolo.

Se o prazo será cumprido ou não depende do Congresso, que precisa aprovar o investimento financeiro no projeto. Nas estimativas da Nasa, o custo total da operação seria entre 20 e 30 bilhões de dólares, o que poderia “roubar” todo o orçamento de outros projetos da agência.

Os Estados Unidos não estão sozinhos, outros países também miram a Lua. A China quer levar humanos para o satélite nos próximos 25 anos. A agência europeia também tem planos de estar em solo lunar em 2050, quem sabe com uma colônia. A Rússia diz que fará uma missão com humanos em 2030, mas muitos duvidam que o país terá o dinheiro necessário para executar o projeto.

Nesse meio tempo, enquanto os governos organizam o orçamento, as empresas correm para tentar dominar o novo mercado espacial.

 

Fonte: Exame


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Fernanda Young: veja a repercussão da morte da escritora e atriz
há 9 horas atrás

Fernanda Young: veja a repercussão da morte da escritora e atriz

Fernanda Young: veja a repercussão da morte da escritora e atriz
Rodada do Brasileirão pode mudar liderança do campeonato
há 15 horas atrás

Rodada do Brasileirão pode mudar liderança do campeonato

Rodada do Brasileirão pode mudar liderança do campeonato
Cidades brasileiras têm atos em defesa da Amazônia
há 15 horas atrás

Cidades brasileiras têm atos em defesa da Amazônia

Cidades brasileiras têm atos em defesa da Amazônia
Secretários de Cultura de 22 estados assinam nota em “defesa” da Ancine
há 1 dia atrás

Secretários de Cultura de 22 estados assinam nota em “defesa” da Ancine

Secretários de Cultura de 22 estados assinam nota em “defesa” da Ancine
Com liberação de mais agrotóxicos, apicultores temem extermínio de abelhas
há 1 dia atrás

Com liberação de mais agrotóxicos, apicultores temem extermínio de abelhas

Com liberação de mais agrotóxicos, apicultores temem extermínio de abelhas