Logo Portal Ternura
25/02 - IBITINGA-SP
° °

Bolsonaro diz que Brasil não precisa de dinheiro da Alemanha para preservar Amazônia

Ministério do Meio Ambiente da Alemanha decidiu suspender o financiamento de projetos para a proteção florestal e da biodiversidade da Amazônia em razão do aumento do desmatamento.



Foto: Reprodução

 

O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo (11) que o Brasil não precisa do dinheiro da Alemanha para preservar a Amazônia.

Neste sábado (10), a ministra do Meio Ambiente da Alemanha, Svenja Schulze, anunciou, em entrevista ao jornal "Tagesspiegel", a suspensão do financiamento de projetos para a proteção da floresta e da biodiversidade na Amazônia devido ao aumento do desmatamento na região.

Questionado sobre o corte do investimento alemão, Bolsonaro afirmou que a Alemanha estava tentando "comprar" a Amazônia.

“Investir? Ela não vai comprar a Amazônia. Vai deixar de comprar a prestação a Amazônia. Pode fazer bom uso dessa grana. O Brasil não precisa disso”, declarou.

Para ele, outros países tentam se "apoderar" do Brasil. "Você acha que grandes países estão interessados com a imagem do Brasil ou em se apoderar do Brasil?", indagou.

Bolsonaro deu as declarações na manhã deste domingo (11) durante passeio por Brasília.

O presidente deixou o Palácio da Alvorada pouco antes das 9h e visitou o Clube da Aeronáutica. Depois, foi ao bairro Lago Sul, onde andou de jet-ski. Pilotando uma moto, Bolsonaro ainda esteve na Feira da Torre de TV, na região central da cidade, onde tomou caldo de cana e conversou com frequentadores da feira. Pouco antes das 11h, voltou para a residência oficial, na Alvorada.

A decisão alemã de suspender o apoio a projetos diz respeito somente ao financiamento concedido pelo Ministério do Meio Ambiente. A Alemanha também apoia o Fundo Amazônia, para o qual o Ministério da Cooperação Econômica já injetou até agora 55 milhões de euros (por volta de R$ 245 milhões). Além da Alemanha, a Noruega contribui para o fundo.

Reportagem publicada na edição deste domingo do jornal "O Estado de S. Paulo" informa que governadores da região Norte estão buscando financiamento direto com organismos internacionais para conter o desmatamento na Amazônia.

De acordo com a reportagem, representantes de Alemanha, Noruega e dos estados da região Norte se reuniram para discutir formas de repasse direto de recursos, sem a participação do governo federal.

Segundo informou o jornal alemão "Tagesspiegel", em um primeiro momento, foram suspensos os repasses para projetos no valor de 35 milhões de euros (cerca de R$ 155 milhões). De acordo com o Ministério do Meio Ambiente da Alemanha, desde 2008, já foram disponibilizados 95 milhões de euros (por volta de R$ 425 milhões) por meio dessa iniciativa para projetos de proteção florestal no Brasil.

 

Fonte: G1


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

há 6 horas atrás

Cidade de SP tem aumento de homicídios, latrocínios e estupros em janeiro

Cidade de SP tem aumento de homicídios, latrocínios e estupros em janeiro
Coronavírus impõe exílio a expatriados brasileiros que vivem na China
há 7 horas atrás

Coronavírus impõe exílio a expatriados brasileiros que vivem na China

Coronavírus impõe exílio a expatriados brasileiros que vivem na China
Coronavírus é maior emergência de saúde da China desde 1949, diz Xi
há 1 dia atrás

Coronavírus é maior emergência de saúde da China desde 1949, diz Xi

Coronavírus é maior emergência de saúde da China desde 1949, diz Xi
Marcado pelo turismo, Carnaval deve movimentar R$ 8 bi na economia
há 1 dia atrás

Marcado pelo turismo, Carnaval deve movimentar R$ 8 bi na economia

Marcado pelo turismo, Carnaval deve movimentar R$ 8 bi na economia
Amazon lidera, Google sobe, Apple cai: as marcas mais valiosas do ano
há 1 dia atrás

Amazon lidera, Google sobe, Apple cai: as marcas mais valiosas do ano

Amazon lidera, Google sobe, Apple cai: as marcas mais valiosas do ano