Logo Portal Ternura
10/07 - IBITINGA-SP
° °

Fapesp participa de versão em português de kit pedagógico da Unesco sobre oceanos

Tradução para a língua portuguesa do material educativo das Nações Unidas é iniciativa de um projeto apoiado pela Fapesp.


A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) lançou a versão em português do kit pedagógico Cultura oceânica para todos. A tradução para a língua portuguesa do material – também disponível em inglês, francês e espanhol – é iniciativa de um projeto apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) na modalidade Pesquisa em Políticas Públicas, realizado por pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), do campus Baixada Santista, em parceria com a Prefeitura Municipal de Santos.

Elaborado pela Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) do órgão, o conteúdo on-line apresenta uma série de recursos e atividades para que públicos, de todas as idades, possam entender os complexos processos e funções do oceano. Além disso, fornece informações científicas sobre a relação de causa e efeito entre o comportamento individual e coletivo e seus impactos no mar.

O kit pode ser acessado gratuitamente e adaptado para diversos contextos geográficos e culturais. “A ideia é que o material possa ser usado por educadores, de disciplinas que não só de ciências ou biologia, para trabalhar conteúdos e desenvolver atividades voltadas à conscientização sobre conservação, restauração e uso sustentável do oceano e de seus recursos”, disse à Agência Fapesp Francesca Santoro, coordenadora do programa “Ocean Literacy” da Unesco e uma das autoras da publicação, durante um evento de anúncio do lançamento do material, em Santos, em setembro do ano passado.

Integração

Um dos objetivos do projeto é desenvolver metodologias e ações para integrar a ciência oceânica e a sociedade, por meio da capacitação de cidadãos e de professores das redes pública e privada, e promover políticas públicas voltadas à conservação marinha embasadas cientificamente.

A ação deu origem ao programa Maré de Ciência. A iniciativa científica tem resultado na criação, nos últimos dois anos, de ferramentas para capacitar professores para promover o ensino ativo de ciências oceânicas nas escolas, em que os estudantes são protagonistas na produção do conhecimento e na construção dos processos de aprendizado.

“O projeto-piloto integra ensino, pesquisa e extensão na Baixada Santista e em escolas em São Paulo, Ribeirão Preto e Rio Claro. A meta é expandir, agora, para outras regiões do país, como em comunidades na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro”, salientou à Agência Fapesp Ronaldo Adriano Christofoletti, professor da Unifesp e coordenador do projeto.

“Continuaremos a desenvolver nossas próprias metodologias para engajar a sociedade na discussão sobre a conservação dos oceanos, e usaremos o kit pedagógico como mais uma ferramenta”, afirmou Christofoletti.

Pilares

Um dos pilares do projeto Maré de Ciência é promover a cultura oceânica, ou seja, o reconhecimento de que o relacionamento do homem com o oceano é um processo cultural, que envolve conhecimento, arte e costumes.

“Os cidadãos precisam entender a influência do oceano sobre eles e vice-versa. Dessa forma, serão capazes de tomar decisões informadas e responsáveis em relação ao oceano e seus recursos, uma vez que os problemas como a poluição do mar, por exemplo, se devem a escolhas individuais, como usar sacolas e embalagens plásticas”, avalia Santoro.

Os municípios litorâneos têm sido especialmente impactados por esse problema. Por isso, são os mais interessados e precisam implementar ações concretas para diagnosticá-lo e atacá-lo na fonte, destacou Marcos Libório, secretário de meio ambiente de Santos.

“Os municípios litorâneos precisam ter participação ativa no processo de engajamento da sociedade no combate à poluição oceânica, porque os custos acabam sendo arcados por eles”, afirmou o gestor à Agência Fapesp.

“Boa parte do lixo e resíduos que recolhemos em Santos, por exemplo, é de responsabilidade da indústria, que poderia produzir embalagens de forma diferente, mais sustentável, o que evitaria que uma grande quantidade de plástico chegasse ao oceano”, completou Libório.

Década dos oceanos

A promoção da cultura oceânica é uma das metas da Unesco para a Década da Ciência Oceânica para o Desenvolvimento Sustentável (Década do Oceano), que a Organização das Nações Unidas (ONU) proclamou para os anos de 2021 a 2030.

Esse período corresponde à última fase da Agenda 2030 – um plano de ação estabelecido pela ONU em 2015 para erradicar a pobreza e proteger o planeta, que contém 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs).

“É a primeira vez que há um movimento global que pretende transformar o modo como se faz e se usa a ciência oceânica. A ideia é engajar a ciência oceânica de modo a colocá-la a serviço da sociedade”, disse Vinícius Lindoso, oficial de comunicação da Comissão Oceanográfica Intergovernamental da Unesco, à Agência Fapesp.

Alguns dos objetivos da iniciativa são tornar os oceanos limpos, saudáveis, resilientes e seguros, além de produtivos, de forma que possam ser explorados de modo sustentável. “Para isso, a ciência oceânica deverá desempenhar um papel fundamental”, afirmou Lindoso.

Planejamento marinho

Uma das questões que deverão ser tratadas durante a “Década do Oceano” é o planejamento espacial marinho. A ideia é que os governos, assim como fazem planejamento urbano, definindo quais áreas de uma cidade podem alocar determinadas atividades, como comércio e serviços, também façam o zoneamento marinho, delimitando em quais áreas marinhas podem ser exploradas atividades como pesca, exploração de petróleo e turismo.

“A União Europeia já está trabalhando com a Unesco para que até 2030 pelo menos 40% da área costeira do mundo seja zoneada”, exemplificou Lindoso. Já o Brasil está organizando a consulta regional da Década do Oceano para o Atlântico Sul – a porção sul do Oceano Atlântico.

“O Brasil tem uma extensa área oceânica sob sua jurisdição, denominada Zona Econômica Exclusiva ou Plataforma continental [cuja área corresponde a, aproximadamente, 3,6 milhões de quilômetros quadrados], que já foi chamada apropriadamente de ‘Amazônia Azul’ em termos de tamanho, biodiversidade e potencial de exploração econômica sustentável”, disse à Agência Fapesp Frederico Antonio Saraiva Nogueira, vice-presidente da COI para o grupo III – América Latina e Caribe.

“É preciso olhar para essa ‘Amazônia Azul’ da mesma forma que se presta atenção hoje à ‘Amazônia Verde’”, concluiu.

 

 

 

Fonte: Governo do Estado de São Paulo


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

CDHU abre credenciamento para a construção de mais  4.525 mil moradias do Programa Nossa Casa
há 14 horas atrás

CDHU abre credenciamento para a construção de mais 4.525 mil moradias do Programa Nossa Casa

CDHU abre credenciamento para a construção de mais 4.525 mil moradias do Programa Nossa Casa
Nova diretoria assume Museu do Ipiranga com missão de concluir modernização em 2022
há 15 horas atrás

Nova diretoria assume Museu do Ipiranga com missão de concluir modernização em 2022

Nova diretoria assume Museu do Ipiranga com missão de concluir modernização em 2022
Aplicativo permite denúncias de crimes ambientais na Amazônia
há 15 horas atrás

Aplicativo permite denúncias de crimes ambientais na Amazônia

Aplicativo permite denúncias de crimes ambientais na Amazônia
Juiz suspende transferência da gestão de florestas para Agricultura
há 15 horas atrás

Juiz suspende transferência da gestão de florestas para Agricultura

Juiz suspende transferência da gestão de florestas para Agricultura
há 15 horas atrás

Latam Brasil entra com pedido de recuperação judicial nos EUA

Latam Brasil entra com pedido de recuperação judicial nos EUA