Logo Portal Ternura
21/09 - IBITINGA-SP
° °

Plenário do STF julga nesta quarta-feira pela primeira vez ação contra ato de Bolsonaro

Ministros julgarão ação do PT contrária a decreto do presidente que extinguiu conselhos. Outras ações contra medidas do governo tramitam na Corte, como a que questiona decreto das armas.



Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) no plenário da Corte — Foto: Nelson Jr./SCO/STF

 

O Supremo Tribunal Federal (STF) julgará nesta quarta-feira (10) uma ação do PT contra trechos do decreto do presidente Jair Bolsonaro que extinguiu conselhos da administração pública.

Esta é a primeira vez que o plenário se reunirá para analisar um ação contra um ato do presidente.

O decreto foi assinado por Bolsonaro em abril, em meio às comemorações pelos 100 dias de governo. Define que serão extintos conselhos, comissões, fóruns e outras denominações de colegiados da administração pública a partir de 28 de junho.

Exclui da norma, contudo, "colegiados previstos no regimento interno ou no estatuto de instituição federal de ensino" e aqueles "criados ou alterados por ato publicado a partir de 1º de janeiro de 2019".

Os trechos questionados pelo PT são:

 

  • o que diz que os efeitos da norma alcançam conselhos da administração pública federal criados por decreto, "incluídos aqueles mencionados em leis nas quais não conste a indicação de suas competências ou dos membros que o compõem";
  • o que fixa o dia 28 de junho como data a partir da qual ficam extintos os conselhos.

 

Durante o julgamento desta quarta-feira, o STF decidirá se atende ao pedido de liminar (decisão provisória) e, assim, suspende os trechos. Em outro julgamento, ainda sem data marcada, a ação terá de ser analisada definitivamente.

 

Argumentos

 

Saiba os argumentos apresentados ao Supremo:

 

  • PT:

 

Argumenta que os conselhos, previstos pela Política Nacional de Participação Social e pelo Sistema Nacional de Participação Social, “representam instrumento de aproximação entre a sociedade civil e o governo".

"Ora, não sendo parte das competências presidenciais a normatização, por meio de decreto, acerca de criação ou extinção de órgãos, o que se verifica é a inconstitucionalidade destes dispositivos, haja vista a incompetência do Poder Executivo em legislar sobre esta matéria", diz o partido.

 

  • Advocacia Geral da União:

 

Defende a manutenção dos artigos. Argumenta que o decreto não usurpou as competências do Congresso Nacional.

"A configuração da estrutura administrativa é parte crucial das competências do chefe do Poder Executivo. Ela representa o ponto de saída dos novos ciclos políticos, fundamental para que as ações de governo se desenvolvam segundo as linhas programáticas que receberam o aval democrático no processo eleitoral", diz a AGU.

 

Outras ações

 

Também tramitam no STF outras ações contra atos do governo Bolsonaro.

 

 

Fonte: G1


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Facebook suspende milhares de aplicativos em investigação sobre uso de dados
há 6 horas atrás

Facebook suspende milhares de aplicativos em investigação sobre uso de dados

Facebook suspende milhares de aplicativos em investigação sobre uso de dados
B2W Digital oferece mais de 1 mil vagas de trabalho em Itapevi
há 7 horas atrás

B2W Digital oferece mais de 1 mil vagas de trabalho em Itapevi

B2W Digital oferece mais de 1 mil vagas de trabalho em Itapevi
Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 38 milhões neste sábado
há 7 horas atrás

Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 38 milhões neste sábado

Mega-Sena pode pagar prêmio de R$ 38 milhões neste sábado
Bolsonaro prorroga por mais 30 dias uso de militares no combate a queimadas na Amazônia
há 7 horas atrás

Bolsonaro prorroga por mais 30 dias uso de militares no combate a queimadas na Amazônia

Bolsonaro prorroga por mais 30 dias uso de militares no combate a queimadas na Amazônia
Entenda o que muda com a lei da liberdade econômica
há 7 horas atrás

Entenda o que muda com a lei da liberdade econômica

Entenda o que muda com a lei da liberdade econômica