Logo Portal Ternura
16/09 - IBITINGA-SP
° °

TSE mantém Rosinha Garotinho inelegível por oito anos por abuso de poder político

Ex-prefeita de Campos teve mandato cassado em 2016 pelo TRE-RJ por abuso de poder e uso indevido de meios de comunicação na eleição de 2012. Prefeitura negou irregularidades.


Rosinha Garotinho, ex-prefeita de Campos dos Goytacazes (RJ) — Foto: Amaro Mota/G1
Rosinha Garotinho, ex-prefeita de Campos dos Goytacazes (RJ) — Foto: Amaro Mota/G1

 

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu na terça-feira (10) manter a ex-prefeita de Campos dos Goytacazes (RJ) Rosinha Garotinho inelegível por oito anos.

Mulher do ex-governador do Rio Anthony Garotinho, Rosinha Garotinho teve o mandato cassado em 2016 pelo Tribunal Regional Eleitoral do estado (TRE-RJ) por abuso de poder político e uso indevido de meios de comunicação na eleição de 2012. O TSE também manteve a cassação do mandato.

Segundo a Justiça Eleitoral, o Ministério Público argumentou que a publicidade institucional da prefeitura teria à época "propagado obras efetuadas pela administração municipal como se fossem realizações pessoais de Rosinha Garotinho, com o único objetivo de promover sua reeleição ao cargo".

Quando o TRE-RJ cassou o mandato de Rosinha Garotinho, a prefeitura afirmou que "a acusação de matérias não institucionais no site da prefeitura não procede e não teria o condão de influenciar o resultado das urnas". A prefeitura também informou que cabia recurso da decisão.

Ao analisar o caso, o relator original no TSE, Herman Benjamin, que já não integra mais o tribunal, entendeu que houve abusos cometidos por Rosinha e pelo vice dela à época, Francisco de Oliveira, no "desvirtuamento da propaganda institucional do município" veiculada no site da prefeitura de Campos.

 

Prisão

 

Rosinha e Anthony Garotinho foram presos no último dia 3 por suspeita de participação em um esquema de superfaturamento de contratos assinados entre a prefeitura de Campos dos Goytacazes e a empreiteira Odebrecht.

Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, a prefeitura e a Odebrecht superfaturaram contratos para a construção de cerca de 10 mil casas populares.

Na ocasião, a defesa de Rosinha e de Anthony Garotinho recorreu argumentando que a prisão era "absolutamente ilegal, infundada" e se referia a supostos fatos pretéritos. Os dois foram soltos um dia depois, no dia 4.

 

Fonte: G1


Comentários (0)

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
criar um comentário

Nacional e Internacional

mais notícias

Vestibular 2020: veja o calendário de inscrições e provas em São Paulo
há 18 horas atrás

Vestibular 2020: veja o calendário de inscrições e provas em São Paulo

Vestibular 2020: veja o calendário de inscrições e provas em São Paulo
Polícia usa canhão de água e gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes em Hong Kong
há 18 horas atrás

Polícia usa canhão de água e gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes em Hong Kong

Polícia usa canhão de água e gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes em Hong Kong
Novo governo da Itália autoriza desembarque de 82 imigrantes
há 18 horas atrás

Novo governo da Itália autoriza desembarque de 82 imigrantes

Novo governo da Itália autoriza desembarque de 82 imigrantes
Abuso de autoridade: dividido, Senado será decisivo para manter ou derrubar vetos de Bolsonaro
há 19 horas atrás

Abuso de autoridade: dividido, Senado será decisivo para manter ou derrubar vetos de Bolsonaro

Abuso de autoridade: dividido, Senado será decisivo para manter ou derrubar vetos de Bolsonaro
Rainha da Suécia relembra infância no interior de SP
há 19 horas atrás

Rainha da Suécia relembra infância no interior de SP

Rainha da Suécia relembra infância no interior de SP